14 agosto 2011

Pai, Pai, Beijo, Beijo



Ser pai  é acima de tudo, não esperar recompensas.
Mas ficar feliz caso e quando cheguem.
É saber fazer o necessário por cima e por dentro da incompreensão.
É aprender a tolerância com os demais e exercitar a dura intolerância
(mas compreensão) com os próprios erros.

Ser pai é aprender errando, a hora de falar e de calar.
É contentar-se em ser reserva, coadjuvante,  deixado para depois. Mas jamais
deixar de falar no momento preciso. É ter a coragem de ir adiante, tanto
para a vida quanto para a morte. É viver as fraquezas que depois corrigirá
no filho, fazendo-se forte em nome dele e de tudo o que terá de viver para
compreender e enfrentar.

Ser pai é aprender a ser contestado mesmo se no auge da lucidez. É esperar e
saber que experiência só adianta para quem a tem, e só se tem vivendo.
Portanto, é agüentar a dor de ver os filhos passarem pelos sofrimentos
necessários, buscando ampará-los sem que percebam,
para que consigam descobrir os próprios caminhos.

Ser pai é saber e calar. Fazer e guardar. Dizer e não insistir.
Falar firme sem tentar convencer.. Dosar e controlar-se. Dirigir sem
demonstrar.  É ver dor, sofrimento, vício, queda e tocaia, jamais
transferindo aos filhos o que lhe corrói a alma. Ser pai é ser bom sem ser
fraco. É jamais transferir aos filhos a quota de sua imperfeição, o seu lado
fraco, desvalido e órfão.

Ser pai é saber ir-se apagando à medida em que mais nítido
se faz na personalidade do filho, sempre como influência, jamais como
imposição. É saber ser herói na infância, exemplo na juventude
e amizade na idade adulta do filho. É saber brincar e zangar-se. É formar
sem modelar, ajudar sem cobrar,  ensinar sem o demonstrar, sofrer sem
contagiar, amar sem receber.

Ser pai é atingir o máximo de angústia no máximo de silêncio.
O máximo de convivência no máximo de solidão.
É, enfim, colher a vitória exatamente quando percebe que o filho
a quem ajudou a crescer,  já dele não necessita para viver.
É quem se anula na obra que realizou e sorri, sereno,
por tudo haver feito para deixar de ser importante.

Mas inesquecível.

- Artur da Távola -